Mais uma vez, o dinheiro fala mais alto que o bom senso

Foi realizada no dia 31 de Março 2017, reunião em Belo Horizonte-MG para debater a exclusão de condicionantes do empreendimento Minas-Rio, localizada em Conceição do Mato Dentro-MG.

Vale ressaltar que essas condicionantes foram estudadas e deferidas previamente na SUPRAM, em Diamantina, contudo, o empreendimento solicitou por meio de recurso, a fim de serem retiradas as condicionantes, pode-se verificar que, isso prejudica ainda mais os pobres na região, atropelando o processo de licenciamento, demonstrando a força da empresa em questões envolvendo o Estado, que por sua vez está falido e vulnerável às garras das multinacionais, desprezando o povo que clama por um mínimo de direitos, enquanto nosso minério é extraído para China, sem o menor pudor.

Os atingidos do projeto Minas-Rio solicitaram que representantes da empresa e conselheiros fossem às comunidades para verificar a situação dramática que vivem os moradores. São trincas em casas, poeira, barulho, explosões diárias e ausência de água! Como o povo local vive desse jeito? E ainda querem retirar condicionantes já aceitas através de estudos, a fim de facilitar ainda mais essa ação prejudicial, ao meio ambiente e ao povo.

Foi observado o clima tenso entre as partes envolvidas, contudo, no decorrer do debate, destacou-se um discurso de uma representante do empreendimento, que na ocasião foi favorável à exclusão das condicionantes, na justificativa de “AJUDAR OS ATINGIDOS LOCAIS”, é mole? Será que ela acha que somos analfabetos? Quanta contradição. Cabe deixar um recado para o pessoal de Conceição, sei que as pessoas estão ficando cada vez mais dependentes da mineradora, oremos para que o prefeito local crie alternativas dignas, senão iremos ficar reféns da multinacional, igual o Estado. É notória a situação atual do Brasil. Sabemos que a crise envolve todos os setores e camadas do país e que o fruto se originou através da corrupção que está enraizada em nossa medíocre “cultura do funk e televisão”. É lamentável, ver um Estado acorrentado, tendo que catar migalhas das multinacionais a fim de sobreviver da sua própria corrupção, enquanto o povo está desempregado e morrendo de fome. Qual exemplo de político nós temos atualmente? Qual representante sonhamos, que irá arrumar este “inferno”? Eu afirmo que o problema que temos não será consertado nas eleições presidenciais em 2018!

Ficará muito além disso…

Parlamento Jovem em Conceição do Mato Dentro

Recentemente, houve debate na Câmara Municipal em Conceição do Mato Dentro, coordenado pelo presidente da Câmara, Sr. João Marcos Otoni Seabra, o lançamento do Projeto Parlamento Jovem. O projeto visa a formação política dos estudantes conceicionenses, proporcionando ao jovem uma oportunidade de conhecer melhor a política e os instrumentos de participação do poder legislativo.

O debate foi muito proveitoso em relação ao conhecimento didático da atual situação política brasileira, obtendo um desfecho significativo para o aprendizado dos alunos presentes. O debate contou com a presença do promotor de justiça, Dr. Marcelo Mata Machado, do juiz de direito Paulo Rezende, professores e doutores acadêmicos, e fez com que os alunos questionassem tópicos políticos recentes e debatessem perguntas polêmicas, como a candidatura do Deputado Jair Bolsonaro para presidência do Brasil, as reformas da Previdência e Educação que tramitam no Congresso, ocupação nas escolas, projeto de Lei “Escola sem Partido”, etc.

Todas as perguntas foram respondidas de forma a aprimorar o senso analítico dos alunos, ajudando-os quanto à busca pelo interesse político e consequentemente, ao desenvolvimento crítico das batalhas que serão travadas num futuro próximo por nossos jovens.

Foi tratado também, pelo Prof. Dr. André Luiz, o Programa Polos de Cidadania, que já executa um trabalho socioeconômico na região. O professor declarou que os alunos do ensino médio local devem pensar “além do muro das escolas”, assim como nasceu o projeto Polos.

Ao longo do debate, notei um sentimento de revolta tanto dos palestrantes quanto dos alunos, em relação às reformas pretendidas pelo atual governo, já que estão sendo tramitadas na ausência de consultas ao povo, caracterizando um parlamentarismo infundado e baseado no medo.

Perguntas que não se calam:

01- Por que o atual governo tem medo de solicitar plebiscitos nas questões envolvidas?

02- O governo quer cortar na “carne”? Por que não cortam os benefícios absurdos dos 3 poderes?

Diante das questões envolvidas, nada mais justo que o debate democrático com nossos jovens, pois sem dúvida alguma, quem pagará o pato pela incompetência e corrupção dos nossos representantes, serão eles.

Fonte: Facebook da Prefeitura de Conceição do Mato Dentro

Parabéns aos organizadores do evento e à Câmara Municipal de Conceição do Mato Dentro, que proporcionaram este maravilhoso encontro. Que aconteçam mais vezes em todo o Brasil!

 

Abraço cordial, Davi Resende.