Raul Seixas

Raul Santos Seixas (Salvador, 28 de junho de 1945 — São Paulo, 21 de agosto de 1989) foi um cantor e compositor brasileiro, frequentemente considerado um dos pioneiros do rock brasileiro. Também foi produtor musical da CBS durante sua estada no Rio de Janeiro, e por vezes é chamado de “Pai do Rock Brasileiro”. Sua obra musical é composta por 17 discos lançados em seus 26 anos de carreira e seu estilo musical é tradicionalmente classificado como rock e baião, e de fato conseguiu unir ambos os gêneros em músicas como “Let me Sing, Let me Sing”. Seu álbum de estreia, Raulzito e os Panteras (1968), foi produzido quando ele integrava o grupo Raulzito e os Panteras, mas só ganhou notoriedade crítica e de público com as músicas de Krig-ha, Bandolo! (1973), como “Ouro de Tolo”, “Mosca na Sopa”, “Metamorfose Ambulante”. Raul Seixas adquiriu um estilo musical que o creditou de “contestador e místico”, e isso se deve aos ideais que vindicou, como a Sociedade Alternativa apresentada em Gita (1974), influenciado por figuras como o ocultista britânico Aleister Crowley.

Cético e agnóstico, Raul se interessava por filosofia (principalmente metafísica e ontologia), psicologia, história, literatura e latim e algumas ideias dessas correntes foram muito aproveitadas em sua obra, que possuía uma recepção boa ou de curiosidade por conta disso. Ele conseguiu gozar de uma audiência relativamente alta durante sua vida, e mesmo nos anos 80 continuou produzindo álbuns que venderam bem, como Abre-te Sésamo (1980), Raul Seixas (1983), Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum! (1987) e A Panela do Diabo (1989), esse último em parceria com o também baiano e amigo Marcelo Nova, e sua obra musical tem aumentado continuamente de tamanho, na medida em que seus discos (principalmente álbuns póstumos) continuam a ser vendidos, tornando-o um símbolo do rock do país e um dos artistas mais cultuados e queridos entre os fãs nos últimos anos. Em outubro de 2008, a revista Rolling Stone promoveu a Lista dos Cem Maiores Artistas da Música Brasileira, cujo resultado colocou Raul Seixas figurando a posição 19ª , encabeçando nomes como Milton Nascimento, Maria Bethânia, Heitor Villa-Lobos e outros. No ano anterior, a mesma revista promoveu a Lista dos Cem Maiores Discos da Música Brasileira, onde dois de seus álbuns apareceram Krig-ha, Bandolo! de 1973 atingiu a 12ª posição e Novo Aeon ficou em 53º lugar, demonstrando que o vigor musical de Raul Seixas continua a ser considerado importante hoje em dia.

 

Minha Avaliação: Nota 9,5*

*  Raulzito viveu conturbada realidade pela situação política no nosso país, porém Raul nunca se omitiu da nação e da liberdade em todos os níveis, inclusive a de expressão! Como todo artista, Raul também teve seus altos e baixos, tanto na qualidade de suas músicas como na religião. Nota-se contrariedade de pensamentos e idéias, ora criticando Jesus Cristo, ora exaltando-o. Particularmente, não gosto de escutar as músicas Cowboy Fora da Lei e Capim Guiné, por caçoar de Jesus e inclusive de Deus. Descartando este fato, sou grande fã de Raul pelas composições sábias, músicas bem produzidas e orquestradas com sapiência. Raul Seixas, você sempre estará com o Brasil e o Brasil contigo! Viva Raul!

>>> Senha para abrir Rar: DaviResende

 

Álbuns para baixar>>>

 

01- 1968 – Raulzito E Os Panteras:

1. “Brincadeira” 2:40
2. “Por quê? Pra quê?” 1:51
3. “Um Minuto mais (I Will)” 1:44
4. “Vera Verinha” 1:58
5. “Você ainda Pode Sonhar 2:18
6. “Menina de Amaralina” 1:54
7. “Triste Mundo” 2:13
8. “Dê-me tua Mão” 2:36
9. “Alice Maria” 2:08
10. “Me Deixa em Paz” 1:46
11. “Trem 103” 1:55
12. “O Dorminhoco” 1:33

Download

02- 1971 – Sociedade Da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão Das 10:

1. “Êta Vida” 2:28
2. “Sessão das Dez” 2:44
3. “Eu Vou Botar pra Ferver” 2:25
4. “Eu Acho Graça” 2:49
5. “Chorinho Inconsequente” 1:56
6. “Quero Ir” 2:20
7. “Soul Tabarôa” 2:44
8. “Todo Mundo Está Feliz” 2:56
9. “Aos Trancos e Barrancos” 2:27
10. “Eu não Quero Dizer Nada” 3:06
11. “Dr. Paxeco” 3:11
12. “Finale” 0:29

Download

03- 1973 – Os 24 Maiores Sucessos Da Era Do Rock:

1. “Abertura” 00:39
2. “Rock Around the Clock/Blue Suede Shoes/Tutti Fruit” 04:09
3. “Rua Augusta/O Bom” 02:55
4. “Poor Little Fool/Bernadine” 02:22
5. “Estúpido Cupido/Banho de Lua/Lacinhos Cor-de-rosa” 03:51
6. “The Great Pretender” 01:44
7. “Diana/Little Darlin/Oh! Carol/Runaway” 03:31
8. “Marcianita/É Proibido Fumar/Pega Ladrão” 03:43
9. “Jambalaya/Shake, Rattle and Roll/Bop-a-Lena” 03:25
10. “Only You” 02:46
11. “Vem Quente Que Eu Estou Fervendo” 02:21

Download

04- 1971 – 1973 – Krig-Ha, Bandolo!:

1. “Introdução: Good Rockin’ Tonight” 0:50
2. “Mosca na Sopa” 3:58
3. “Metamorfose Ambulante” 3:50
4. “Dentadura Postiça” 1:30
5. “As Minas do Rei Salomão” 2:22
6. “A Hora do Trem Passar” 1:50
7. “Al Capone” 2:38
8. “How Could I Know” 2:36
9. “Rockixe” 3:44
10. “Cachorro Urubu” 2:08
11. “Ouro de Tolo” 2:51
12. “Meu Nome É Raul Santos Seixas (Vinheta)” 0:51

Download

05- 1974 – Gita:

1. “Super-Heróis” 3:11
2. “Medo da Chuva” 3:00
3. “As Aventuras de Raul Seixas na Cidade de Thor” 3:40
4. “Água Viva” 2:02
5. “Moleque Maravilhoso” 2:16
6. “Sessão das 10” 2:20
7. “Sociedade Alternativa” 2:55
8. “O Trem das 7” 2:40
9. “S.O.S.” 3:06
10. “Prelúdio” 1:12
11. “Loteria da Babilônia” 2:30
12. “Gîtâ” 4:50

Download

06- 1975 – Novo Aeon:

1. “Tente Outra Vez” 2:20
2. “Rock do Diabo” 2:10
3. “A Maçã” 3:25
4. “Eu Sou Egoísta” 2:50
5. “Caminhos” 1:45
6. “Tu És o MDC da Minha Vida” 3:30
7. “A Verdade Sobre a Nostalgia” 2:05
8. “Para Nóia” 3:50
10. “Peixuxa (O Amiguinho dos Peixes)” 2:10
11. “É Fim de Mês” 3:00
12. “Sunseed” 2:40
13. “Caminhos II” 0:45
14. “Novo Aeon” 2:30

Download

07- 1976 – Há 10 Mil Anos Atrás:

1. “Canto para Minha Morte” 3:52
2. “Meu Amigo Pedro” 4:49
3. “Ave Maria da Rua” 4:38
4. “Quando Você Crescer” 4:19
5. “O Dia da Saudade” 2:35
6. “Eu Também Vou Reclamar” 3:23
7. “As Minas do Rei Salomão” 2:58
8. “O Homem” 3:05
9. “Os Números” 2:30
10. “Cantiga de Ninar” 2:41
11. “Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás” 4:52

Download

08- 1977 – Raul Rock Seixas:

1. “My Way/Trouble” 4:43
2. “The Diary” 2:27
3. “My Baby Left Me/Thirty Days/Rip It Up” 3:14
4. “All I Have to Do Is Dream/Put Your Head on My Shoulder/Dear Someone” 4:53
5. “Do You Know what It Means to Miss New Orleans” 2:24
6. “Lucille/Corrine Corrina” 4:25
7. “Ready Teddy/Hard Headed Woman/Baby I Don’t Care” 3:42
8. “Just Because” 1:25
9. “Bye Bye Love/Be-Bop-A-Lula/Love Letters in the Sand/Hello Mary Lou” 6:29
10. “Blue Moon of Kentucky/Asa Branca” 1:23

Download

09- 1977 – O Dia Em Que A Terra Parou:

1. “Canto para Minha Morte” 3:52
2. “Meu Amigo Pedro” 4:49
3. “Ave Maria da Rua” 4:38
4. “Quando Você Crescer” 4:19
5. “O Dia da Saudade” 2:35
6. “Eu Também Vou Reclamar” 3:23
7. “As Minas do Rei Salomão” 2:58
8. “O Homem” 3:05
9. “Os Números” 2:30
10. “Cantiga de Ninar” 2:41
11. “Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás” 4:52

Download

10- 1978 – Mata Virgem:

1. “Judas” 2:55
2. “As Profecias” 3:53
3. “Tá na Hora” 2:09
4. “Planos de Papel” 2:15
5. “Conserve Seu Medo” 1:44
6. “Negócio É” 2:55
7. “Mata Virgem” 2:24
8. “Pagando Brabo” 2:28
9. “Magia de Amor” 1:30
10. “Todo Mundo Explica” 2:17

Download

11- 1979 – Por Quem Os Sinos Dobram:

1. “Ide a Mim Dada” 3:20
2. “Diamante de Mendigo” 3:27
3. “A Ilha da Fantasia” 2:23
4. “Na Rodoviária” 3:09
5. “Por Quem os Sinos Dobram” 3:45
6. “O Segredo do Universo” 3:15
7. “Dá-lhe que Dá” 2:08
8. “Movido a Álcool” 2:24
9. “Réquiem para uma Flor” 2:13

Download

12- 1980 – Abre-te Sésamo:

1. “Abre-te Sésamo” 2:33
2. “Aluga-se” 2:38
3. “Anos 80” 2:49
4. “Angela” 2:42
5. “Conversa pra Boi Dormir” 2:28
6. “Minha Viola” 2:57
7. “Rock das “Aranha”” 1:50
8. “O Conto do Sábio Chinês” 1:50
9. “Só pra Variar” 2:40
10. “Baby” 3:05
11. “É Meu Pai” 3:43
12. “À Beira do Pantanal” 2:43

Download

13- 1983 – Raul Seixas:

1. “D.D.I. (Discagem Direta Interestelar)” 2:09
2. “Coisas do Coração” 3:02
3. “Coração Noturno” 4:25
4. “Não Fosse o Cabral” 1:50
5. “Quero Mais” 3:06
6. “Lua Cheia” 3:25
7. “Carimbador Maluco” 2:20
8. “Segredo da Luz” 3:34
9. “Aquela Coisa” 2:47
10. “Eu Sou Eu, Nicuri É o Diabo” 2:12
11. “Capim Guiné” 3:24
12. “Babilina” 1:41
13. “So Glad You’re Mine” 4:50

Download

14- 1984 – Metrô Linha 743:

1. “Metrô Linha 743” 2:45
2. “Um Messias Indeciso” 4:54
3. “Meu Piano” 3:24
4. “Quero Ser o Homem que Sou (Dizendo a Verdade)” 4:38
5. “Canção do Vento” 2:48
6. “Mamãe Eu Não Queria” 4:11
7. “Mas I Love You (Pra Ser Feliz)” 3:38
8. “Eu Sou Egoísta” 3:03
9. “O Trem das Sete” 3:14
10. “A Geração da Luz” 2:55

Download

15- 1987 – Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum!:

1. “Abertura” – “Quando Acabar o Maluco Sou Eu” 3:45
2. “Cowboy Fora da Lei” 3:38
3. “Paranóia II (Baby Baby Baby)” 3:22
4. “I Am (Gîtâ)” 4:40
5. “Cambalache” 2:38
6. “Loba” 2:33
7. “Canceriano sem Lar (Clínica Tobias Blues)” 3:30
8. “Gente” 3:45
9. “Cantar” 3:03

Download

16- 1988 – A Pedra Do Gênesis!:

1. “A Pedra do Gênesis” 2:48
2. “A Lei” 3:17
3. “Check-up” 2:21
4. “Fazendo o Que o Diabo Gosta” 2:23
5. “Cavalos Calados” 2:10
6. “Não Quero mais Andar na Contramão (No No Song)” 2:28
7. “I Don’t Really Need You Anymore” 3:04
8. “Lua Bonita” 2:09
9. “Senhora Dona Persona (Pesadelo Mitológico nº 3)” 2:39
10. “Areia da Ampulheta” 2:31

Download

17- 1989 – A Panela Do Diabo:

1. “Be-Bop-A-Lula” 0:20
2. “Rock ‘n’ Roll” 5:20
3. “Carpinteiro do Universo” 4:34
4. “Quando Eu Morri” 4:22
5. “Banquete de Lixo” 5:55
7. “Pastor João e a Igreja Invisível” 3:37
8. “Século XXI” 4:05
9. “Nuit” 4:27
10. “Best Seller” 3:48
11. “Você Roubou Meu Videocassete” 2:45
12. “Cãibra no Pé” 3:00

Download

4 Cidades-fantasma em Minas Gerais

Vila de Mato Grosso no Serro. A vila Fantasma, com apenas uma moradora. Fotografia de Thelmo Lins

Desemboque, o berço da colonização do Triângulo Mineiro, com 27 moradores. Vila de Mato Grosso, no Serro, com apenas 1 moradora. Cemitério do Peixe em Conceição do Mato dentro, onde onde a maioria dos moradores estão no cemitério e Biribiri, em Diamantina,  outrora vila fantasma abandonada, hoje se reerguendo, são as famosas “cidades-fantasmas” de Minas. Conheça a história de cada uma delas.

01 – Vila Cemitério do Peixe

Pequeno lugarejo, pertencente ao município de Conceição do Mato Dentro, Cemitério do Peixe constitui-se de uma única igreja, e um cemitério, que por sinal, dá nome ao lugar. Tem-se ali, um aglomerado de casas, no número de duzentas, todas caiadas de enorme brancura, de simplicidade e de mistério. É banhado pelo Rio Paraúna, de caudalosas águas, em meio a uma colina, vizinho ao distrito de Capitão Felizardo. Distante está, de Diamantina, 40 quilômetros.

Dos mitos de sua criação há inúmeras versões, dentre elas, a riqueza da região, que atraiu o olhar da metrópole portuguesa a existência de pedras preciosas e ouro naquele lugar. Há a versão de que um fazendeiro, criador de gado, dono de alguns garimpos e proprietário dessas terras, um certo Canequinha, nascido em 1860, teria doado parte de suas terras à Igreja, a fim de que se construísse nas mesmas uma capela e um cemitério. E que mais tarde, ainda construiu algumas casinhas para abrigar padres e fiéis. São muitos os mitos que giram em torno da origem do lugarejo, porém, fato concreto, é que o primeiro túmulo, bem à entrada do Cemitério, data de 1941, e tem nele enterrado o tal Canequinha, e inscrito junto a seu nome: “Fundador”, o que nos leva a crer que seja essa uma das possíveis versões. Mas, com relação ao nome “peixe”, há histórias de que um tal escravo de apelido peixe, muito estimado por seu senhor, que ao ser encontrado morto pelo mesmo, que esse teria lhe prestado uma homenagem em seu enterramento, chamando o cemitério de “Peixe”.

Com relação à igreja, essa é na verdade a pequenina Capela votada a São Miguel Arcanjo, fica de fronte ao cemitério, que é epigrafado pela seguinte placa: “Ó tu que vens a este cemitério, medita um pouco nesta campa fria: eu fui na vida o que tu és agora, eu sou agora o que serás um dia”. Por essa epígrafe e pelo fato de o lugarejo se manter vazio por quase todos os dias do ano, é que o lugar guarda força quase mística de celebração e milagres. E é, por muitos, conhecido como cidade fantasma!

O lugarejo recebe cinco missas por ano, entretanto, essas missas acontecem por cinco dias consecutivos, dos dias 11 a 15 de agosto.
Nesses dias o lugarejo se transforma em local de romaria, um verdadeiro jubileu de pedidos e agradecimentos pautados nas lágrimas, olhares, sorrisos, joelhos ao chão e fé. São milhares de fieis dividindo o espaço de peditório, louvor e ofertório a São Miguel Arcanjo e às Almas. Nessa época do ano, a capela, o cemitério e as casinhas são cuidadosamente caiados de branco, suas portas e janelas pintadas de azul, “É preciso agradar o santo!” , disse, feliz, D. Carlota.
A festa dos dias de devoção é mantida pelos fiéis, que contribuem materialmente para que esses momentos de fé, que alimentam todo um ano de venturas, sejam mantidos ano após ano, geração após geração, em seu rito e sua tradição.

02 – Vila de Desemboque – Sacramento

Desemboque tem apenas 20 casas, 27 moradores, uma única rua e uma igreja histócica. Fotografia de Luis Leite
Erguida por bandeirantes em 1766 em sua rota rumo ao ouro de
Goiás, já foi o maior centro comercial e de mineração do famoso Triângulo Mineiro, dando abrigo a 1,5 mil habitantes e repleta de vida comercial e de lazer, incluindo um pequeno cassino.

Contudo, em 1871, o ouro começou a escassear e as pessoas acabaram partindo para as cidades vizinhas e abandonando os garimpos que já não tinham mais nada a oferecer.

Atualmente o local é uma vila pertencente ao município de Sacramento tendo apenas 20 casas, duas igrejas muito bem conservadas e um cemitério. Interessados em visitá-la podem ficar em Sacramento ou na bela cidade de Araxá (365 km de Belo Horizonte): local histórico e com belíssimos monumentos.

No mês de junho a Festa de Nossa Senhora do Desterro, com fogueira
Carreada de Bois, movimenta Desemboque. Foto de Luis Leite

03 – Vila de Biribiri – Diamantina

Construída em 1876 por Dom João Antônio dos Santos para abrigar funcionários de uma fábrica de tecidos trazendo mais de mil pessoas para a pequena cidade.
Formada pela indústria, as casas dos funcionários, uma pequena via comercial e um gerador de energia próprio, Biribiri ainda tinha um pensionato para receber as jovens que vinham de outras localidades. Aos poucos o vilarejo foi crescendo e parecia promissor.Porém, em 1973, a fábrica fechou e seus moradores foram embora. Inicialmente preservada pelos herdeiros dos primeiros cidadãos a transformá-la num lar e posteriormente tombada pelo Patrimônio Histórico, se tornou uma atração turística.

Em 2013 metade dos imóveis da vila foi vendida e os novos ‘donos’ do lugar planejam, por exemplo, transformar o antigo pensionato em um hotel. Uma pousada já existe no local e símbolos locais – como a igreja e o clube – deverão passar por reformas.

A aquisição ainda está em uma fase complicada, porque a Lei não permite que as casas tombadas sejam desmembradas, então o interessado deve comprar tudo junto.

Além da pousada que já existe no local, você pode se hospedar na cidade de Diamantina (298 km de Belo Horizonte). Cidade histórica e com diversas atrações naturais, com certeza vale ser visitada pelos amante da Cultura de nossas raízes e pelo Meio Ambiente.

04 – Vila de Mato Grosso – Serro MG

Capelinha – Serra da Caroula. Com apenas 1 habitante, Mato Grosso, a Vila Fantasma, é uma das atrações do Serro MG. No mês de julho, a Vila Fantasma recebe visitantes para a Festa de Nossa Senhora das Dores.
Cem casas desabitadas e capela na Serra do Carola testemunham a devoção de fiéis
Esta é uma história de devoção a Nossa Senhora das Dores. De certa forma, é também a história de uma vila fantasma. A fé católica deu origem a uma capela e a cerca de 100 casinhas desabitadas no topo de um pico a 18 quilômetros do Serro, cidade colonial fundada por bandeirantes em 1714. Por aquelas bandas, não há quem desconheça graças alcançadas na Serra do Carola, a montanha dos bem-aventurados.Corria o início do século passado quando católicos começaram a enfrentar uma íngreme subida de três quilômetros para suplicar proteção e milagres a Nossa Senhora. À medida que as graças eram alcançadas, crescia o universo de peregrinos. A notícia se espalhou e atraiu forasteiros de longe. Foi então que um dos devotos, José Osvaldo de Gulim, ergueu um cruzeiro de madeira acima do platô mais alto.

Pouco depois, ele e mais três homens – Expedito, José e Nicodemos – construíram uma capela numa área doada por Romão Eduardo dos Santos. Foi assim que surgiu o santuário de Nossa Senhora das Dores. Há 69 anos, a fé resultou no jubileu anual em sua homenagem.

O evento dura uma semana, sempre em julho. No início, os fiéis subiam e desciam a serra todos os sete dias, numa caminhada danada de cansativa pela estrada empoeirada e com rochas. Para evitar os prolongados deslocamentos durante a festividade, devotos tiveram a ideia de erguer casinhas no entorno da capela. Dezenas surgiram em pouco tempo.

As chamadas edículas ou casinholas são construções simples. A maioria com um cômodo. Afinal, servem de moradia apenas na semana do jubileu. Na região, as casinhas temporárias foram apelidadas de barraquinhas. As primeiras eram de madeira, lona e sapê. Desprovidas de qualquer conforto. Num segundo momento, surgiram as edificações mais sólidas, de adobe ou tijolo. Algumas construções de pau-a-pique resistem ao tempo.

Embora erguidas por fiéis, as edículas, oficialmente, pertencem à paróquia. “São habitadas somente durante o jubileu”, conta Pedro Farnesi, secretário de Turismo, Cultura e Patrimônio do Município do Serro. Apenas uma moradia, erguida em frente à igreja e ao lado de uma árvore cuja copa garante sombra necessária em dias calorentos, é residência fixa.

É nela que moram dona Maria do Amparo Silva Santos, de 63 anos, o marido, seu Damião e um dos oito filhos do casal, Iago, de 20. “Quem doou a terra para a construção da igreja foi meu sogro. Morar no alto da serra é uma beleza. Veja a vista. Os olhos enxergam ao longe. Tudo isso nos oferece uma sensação de paz”, ressalta a mulher, que planta feijão e milho. Ela também cuida de poucas cabeças de gado.

Para dona Maria e muitos fiéis, a Serra do Carola é um lugar sagrado. Por isso, os devotos dizem que o lugarejo “descombina” com o termo vila fantasma. Por outro lado, eles admitem que o apelido se espalhou além das fronteiras do Serro. A fama da vila, assim como a da santa, atrai gente de todo canto do Brasil. De olho nesse filão, empresas do setor de turismo da região oferecem passeios à “vila fantasma”.

Quem chega ao lugarejo fora do jubileu encontra as casinholas, com exceção da moradia de dona Maria, com portas e janelas trancadas. Há paredes de diversas cores e sem reboco. Há telhas de barro e coberturas de amianto. Em muitas, destacam-se enfeites em homenagem à santa. Na área externa, fogões a lenha. Entre as edículas, becos de chão batido ou cobertos por gramíneas.

Bancos de madeira foram colocados em frente a algumas moradias. Neles, os fiéis contemplam a vista oferecida pelo pico. Chama atenção uma passagem com degraus em chão batido. Para garantir a segurança de quem a sobe ou desce, corrimãos de bambus foram improvisados nos dois lados da escadaria. O visitante ainda se depara com árvores frutíferas.

Toda a mística e a beleza do santuário atrai não somente católicos. Há duas semanas, no chão de um dos becos, havia uma medalhinha com a imagem de uma entidade chamada Preto Velho. Nela, a frase: “Adorei as almas!”.

A capela em homenagem a Nossa Senhora das Dores foi restaurada há poucos meses, oferecendo aos devotos, no jubileu que ocorreu na segunda semana de julho, um templo com pintura, equipamentos e fiação elétrica novos.

O recurso foi bancado pela prefeitura. “Estamos investindo, somente neste ano, quase R$ 500 mil no patrimônio histórico do Serro”, garantiu o secretário de Turismo.

O santuário, que é tombado em nível municipal, deverá atrair, no próximo jubileu, em julho de 2017, uma multidão maior do que a registrada nos últimos anos. Afinal, a festa religiosa completará 70 anos.

Quem deseja conhecer o santuário de Nossa Senhora das Dores na Serra do Carola deverá chegar ao trevo do Serro e pegar a MG-010 no sentido à cidade de Conceição do Mato Dentro. O caminho é asfaltado, mas há muitas curvas e a estrada não é duplicada.

A 15 quilômetros do trevo, no lado direito de quem segue para Conceição do Mato Dentro, há uma placa indicando a entrada para o distrito Deputado Augusto Clementino. O visitante deve entrar no distrito, passar em frente à capela do local e seguir por uma estrada de terra de três quilômetros. O caminho oferece uma bela vista.

Fonte

Já eleita a mais bonita, cachoeira do Tabuleiro ainda figura entre as mais belas do Brasil

As 8 cachoeiras mais bonitas do Brasil

1. Cachoeira da Fumaça

Chapada Diamantina (BA)

Saindo do Vale do Capão, são quilômetros de trilha até alcançar os 340 metros da Cachoeira da Fumaça, a segunda mais alta do Brasil. Os 45 minutos iniciais são uma subida inclemente pela Serra do Sincorá, sem caminho definido.

A partir do alto da serra, tranquilidade total: 1h15 de trilha plana, e a visão daquele enorme fiozinho d’água despencando faz esquecer o cansaço. Sensacional é fazer o trekking de três dias que sai de Lençóis e chega à parte baixa da cachoeira. Caminha-se, em média, 12 quilômetros por dia, passando por leitos de rio, tomando banho em cachoeiras menores e pernoitando em grutas.

Como chegar – Fica no Vale do Capão, a 72 km de Lençóis. Guias cobram R$ 200 (grupo de até 4 pessoas) para conhecer a parte de cima da cachoeira e R$ 1 050, por pessoa, para fazer o trekking de três dias, incluindo transporte, alimentação e equipamentos de camping.

2. Cachoeira Boca da Onça

Bonito/Bodoquena (MS)

Em meio à mata nativa surge uma trilha bem sombreada de 4 quilômetros, no princípio sem grandes obstáculos. Até alcançar a Boca da Onça (157 metros), o caminho passa por mais dez quedas, três delas com banho permitido. Ao lado, o imponente Cânion do Salobra.

As águas dos rios são cristalinas. Mais um pouquinho de caminhada, e a Boca da Onça se descortinará na sua frente. Mas ainda resta uma escadaria com 886 degraus até o alto, em que se abre a espetacular vista de todo o caminho percorrido. Dá para chegar também por cima, numa caminhada de duas horas até o mirante.

Como chegar – Distante 60 km de Bonito, deve-se pegar a MS-178 para Bodoquena, entrando em uma estrada de terra de 10 km pouco antes da cidade. Ingressos: desde R$ 202 (almoço incluso) e R$ 262 (com almoço e traslado a partir de Bonito).

3. Cachoeira do tabuleiro

Conceição do Mato Dentro (MG)

Amarre bem a bota, coloque a mochila nas costas e bora caminhar em meio a orquídeas e sempre-vivas no Parque Estadual da Serra do Intendente. Três trilhas compõem o programa – crianças e sedentários podem caminhar por 20 sossegados minutos até o mirante e contemplar os 273 metros da cachoeira em toda a sua plenitude.

Daí pra frente, só graduados. Após o mirante, sai a trilha até o poço da queda. Começa ziguezagueando por uma pirambeira considerável (cuidado com a vertigem) até chegar ao leito do rio. Depois, caminha-se pelas rochas que o ladeiam por duas horas até o fim da jornada.

Como chegar – De Conceição ao distrito de Tabuleiro, são 22 km de estrada de terra, que, quando chove, fica bem embaçada. Ainda tem um ladeirão até a portaria do Parque Estadual da Serra do Intendente. Ingresso: R$ 10.

4. Cachoeira do Segredo

Chapada dos Veadeiros (GO)

A caminhada não é fácil: são 8 quilômetros, sem nenhuma grande elevação, para alcançar a queda. Em compensação, atravessa-se 14 vezes os rios Segredo e São Miguel. Parte da trilha é feita em mata fechada e macacos costumam aparecer pelo caminho.

No meio do percurso, um providencial pit stop em uma prainha com uma deliciosa piscina natural. Dali, em geral, são necessárias três horas entre a portaria e a Cachoeira do Segredo, de 115 metros. Pouco sombreado, seu poço é bem gelado, além de profundo. A volta pode ser feita pelo mesmo trajeto, mas guias locais cortam caminho (dependendo da altura das águas), economizando uma hora de caminhada.

Como chegar – Saindo da Vila de São Jorge, sede do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, dirige-se 12 km de estrada de terra até a Fazenda Segredo. Ingresso: R$ 25 (com guia) ou R$ 35 (sem guia).

5. Cachoeira da Farofa

Serra do Cipó (MG)

É uma das quedas mais acessíveis dentro do Parque Nacional da Serra do Cipó –daí o nome, que (sim) se refere ao alto número de visitantes. Caminhando ou pedalando, eles deixam a portaria do parque e partem para o percurso relativamente tranquilo de 8 quilômetros até o paredão onde está a cachoeira.

Bem sinalizado, dispensa guias. O trecho plano termina no leito do rio. Mas pode ficar tranquilo: até a cachoeira, são apenas 50 metros por pedras um pouco escorregadias. Formada por sete pequenas quedas, a Farofa tem um poço bem gelado.

Como chegar – Do centrinho da Serra do Cipó até a portaria do parque são apenas 5,5 km – 3,5 km em uma estradinha de terra sacolejante. Ingresso: grátis. Em frente à portaria do parque, alugam-se bikes (R$ 25).

6. Vale do Alcantilado

Visconde de Mauá (RJ/MG)

O complexo do Vale do Alcantilado é formado por nove cachoeiras – algumas, na verdade, são poços. A maior queda, com 50 metros, é justamente a derradeira. Bem sinalizada, a trilha de 1,5 quilômetro dispensa guia. As quedas e os poços vão surgindo a cada cinco minutos. Entre a quinta e a sexta, o mirante da Candeia tem a melhor panorâmica para fotos.

Em uma hora de caminhada, finalmente o encontro com a principal cachoeira. Sem direito a banho, aqui apenas se admira os fios brancos caindo pela rocha. Depois de uma atividade intensa, antes de atravessar a portaria, é difícil resistir aos grandes pastéis da Vilma (sábados, domingos e feriados) ou ao caldinho de feijão da Lúcia, nas duas lanchonetes do complexo.

Como chegar – Entre a Vila de Maringá, onde há a maior concentração de pousadas, e o Alcantilado, são 7 km – apenas 2,5 km asfaltados. Em dias de chuva, há um trecho bem perigoso no meio do caminho. Ingresso: R$ 16.

7. Cachoeira do Cassorova e dos Quatis

Brotas (SP)

O Ecoparque Cassorova abriga duas das cachoeiras mais altas e famosas da região. A primeira é a Cassorova, que, apesar de perto da sede, exige disposição para vencer uma trilha íngreme. Em dez minutos, você alcança a ponte, de onde se vê a volumosa queda em duas partes, dentro de um cânion, totalizando 60 metros.

A outra é a Cachoeira dos Quatis, um pouco menor (46 metros), mas mais fechada em um cânion. Em 45 minutos, você estará de frente para ela. A trilha começa em um campo aberto, sem sombras. Sem um bom poço para banho, só a vista da cachoeira em meio à mata faz valer o esforço.

Como chegar – A distância a partir de Brotas é de 28 km, sendo 23 km de asfalto até o bairro do Patrimônio de São Sebastião da Serra e 5 km de terra por estradas bem sinalizadas. Ingresso: R$ 50 no Ecoparque Cassorova.

8. Trilha das sete cachoeiras

São Luiz do Paraitinga (SP)

Todo sábado e domingo, às 9 horas, aventureiros deixam o Refúgio das Sete Cachoeiras, no distrito de Catuçaba, e se embrenham mato adentro para conhecer as sete cachoeiras da propriedade. Saindo de uma altitude de 600 metros, chegarão até 1 450 metros, em uma trilha circular de 7 quilômetros. Condicionamento físico é fundamental.

A primeira queda está quase ao lado da sede, mas o bicho pega é depois, com as subidas íngremes (cordas ajudam no deslocamento). Por vezes, é preciso atravessar o leito do rio a pé. Porém, com calma, uma a uma, as cachoeiras vão surgindo – duas delas com ótimo poço para banho. Ao final do passeio, um almoço caseiro feito em fogão a lenha fecha a aventura.

Como chegar – O distrito está a 19 km de São Luiz do Paraitinga. Dali até o Refúgio, são mais 2 km em estrada de terra. Ingresso: R$ 120, com almoço e lanche de trilha. O passeio deve ser agendado (12/3671-6201).

Fonte

 

Prefeitura de Conceição e Iepha promovem encontro dos Violeiros do Espinhaço

Quem gosta de um “modão sertanejo” não pode perder o encontro dos “Violeiros do Espinhaço” que acontecerá na 6º Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais, em Conceição do Mato Dentro.

A Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais foi criada em 2009 e se inspirou na experiência francesa das Journées du Patrimoine. O evento vem para reforçar a ideia de que as ações de proteção ao patrimônio cultural não são deveres apenas dos órgãos públicos e que elas devem caminhar sempre na direção de um aprendizado coletivo, da valorização da diversidade cultural e de modo a contribuir para a criação de redes de circulação da produção cultural.

O encontro será no sábado, 5 de agosto, às 21 horas, na Praça Dr. Jorge Safe, em frente ao Mercado Municipal Maurílio Lages, em Conceição do Mato Dentro.

O evento ocorre no próximo sábado, 5 de agosto

Fonte

Atingidos pelo Minas-Rio realizam protestos em Audiência Pública

Foi realizado no dia 20 de Julho, em Conceição do Mato Dentro-MG, audiência pública para tratar da próxima etapa do projeto Minas-Rio, a qual ficou marcada por protestos ao longo do dia e diversos discursos acalorados dos atingidos, durante toda a audiência.

É preciso destacar que, as manifestações realizadas foram legítimas e totalmente pacíficas, com destaque negativo para alguns episódios, onde uma minoria conceicionense desferiu palavras para rebaixar os envolvidos: “POBRES”, “TROUXAS”, “BABACAS”. Infelizmente, ainda existem seres humanos incapazes de perceberem o sofrimento alheio. São os mesmos que gritaram quando Jesus Cristo ia para a cruz, da mesma forma como esbravejam contra os atingidos em Conceição do Mato Dentro.

É legítimo que o cidadão comum necessite requerer empregos, mas a custo do sangue daqueles que estão sofrendo? Quanto VALE as commodities? VALE o sangue derramado dos conceicionenses simplórios? Que sofre e clama por justiça e vida digna? Vi diversos funcionários da empresa com discursos de vida digna durante a audiência pública, mas e aqueles que estão abaixo da barragem de rejeitos, perdendo noites de sono e sem água de qualidade, esses não merecem uma vida digna?

Precisamos de uma resposta urgente: A Anglo American vai reconhecer os novos atingidos adjacentes ao empreendimento? Quando haverá clareza nos processos de licenciamento? É preciso dar vida digna aos afetados pela mineração, esse processo não pode continuar desta maneira!

MPF recomenda suspensão do processo de licenciamento ambiental de mina em Conceição de Mato Dentro


A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC/MG), órgão do Ministério Público Federal (MPF), recomendou ao Estado de Minas Gerais a imediata suspensão do processo de licenciamento do projeto de ampliação de exploração e transporte de minério de ferro da empresa Anglo American, em Conceição de Mato Dentro, região central do estado. O licenciamento é referente à instalação de lavra a céu aberto com tratamento a úmido de minério de ferro da Mina do Sapo.

O MPF também recomendou a suspensão da audiência pública marcada para o dia 20 de julho, quando deveriam ser apresentados os estudos e relatórios de impacto ambiental (EIA/Rima) relacionados ao projeto. O motivo do pedido de adiamento é o mesmo que levou o MPF a pedir o adiamento da última audiência pública que seria realizada em 11 de abril: as comunidades e entidades que fazem o acompanhamento técnico do empreendimento reivindicaram prazo maior para analisar a documentação dos impactos, bastante complexa e que soma 3 mil páginas.

Na ocasião, a audiência foi suspensa por ordem da Justiça Estadual, após uma ação popular proposta por cidadãos atingidos pela ampliação do projeto de mineração.

A recomendação foi enviada ao titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Jairo José Isaac, e ao seu adjunto, Germano Luiz Gomes Vieira, além do subsecretário de Regularização Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Anderson Silva de Aguilar.

O empreendimento da empresa Anglo American consiste na extração e transporte de minério de ferro, a partir da abertura de uma mina nas serras do Sapo e Ferrugem, construção de planta de beneficiamento nos municípios mineiros de Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas, na implantação de mineroduto de 525 quilômetros e implementação de porto marítimo em Barra do Açu (RJ). Atualmente, o projeto está na etapa 3, referente à Mina do Sapo, localizada em Conceição do Mato Dentro.

Condicionantes

Para o MPF, ainda há muitas dúvidas acerca do que consta nos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e no Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) e principalmente sobre o efetivo cumprimento das condicionantes das fases anteriores, que ainda não foram sanadas pelas autoridades competentes. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) ainda não apresentou nenhum elemento que possa comprovar o cumprimento de tais medidas.

Desde outubro de 2016, o MPF pede à Semad informações sobre o licenciamento e o cumprimento das condicionantes, que responde sempre com pedido de mais prazo para apresentar os dados. Na última resposta enviada, foi pedido um prazo até o dia 20 de julho, justamente o dia marcado para a audiência pública. Na resposta, o órgão informou que “a Superintendência Regional de Meio Ambiente, responsável pela análise dos processos de licenciamento do empreendimento, está finalizando a compilação dos dados requisitados pelo Ministério Público Federal”.

Para o procurador regional dos Direitos do Cidadão em Minas Gerais, Helder Magno da Silva, essa resposta e outros elementos levantados pelo inquérito conduzido pelo MPF indicam que a Semad, através de seus diversos órgãos e agentes, está a possibilitar uma etapa do licenciamento ambiental sem que ela própria tenha compiladas as informações pertinentes ao cumprimento das condicionantes das fases anteriores e mesmo para atender os pedidos de informação do próprio MPF. “Todos têm direito de receber informações dos órgãos públicos de seu interesse, principalmente quando se trata de um empreendimento dessa magnitude e que pode afetar a vida de milhares de pessoas. É necessário que essas informações estejam à disposição de todos, inclusive do próprio MPF, para que seja possível se informar, discutir e tomar as deliberações necessárias antes de uma audiência pública”, defende o procurador.

Crime ambiental

O MPF lembra ainda que, ao não fornecer ou mesmo omitir informações sobre o processo de licenciamento ambiental, os agentes públicos podem ser responsabilizados penalmente. A Lei nº 9.605/98 (Crimes Ambientais) define em seus artigos 66 e 69-A: “fazer o funcionário público afirmação falsa ou enganosa, omitir a verdade, sonegar informações ou dados técnico-científicos em procedimentos de autorização ou de licenciamento ambiental” e “elaborar ou apresentar, no licenciamento, concessão florestal ou qualquer outro procedimento administrativo, estudo, laudo ou relatório ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso, inclusive por omissão”. As penas vão de “reclusão, de um a três anos, e multa” e de “reclusão, de três a seis anos, e multa”, respectivamente.

Fonte

PLC 74/2017


Está em tramitação no Senado um projeto de lei sobre acesso às montanhas. Segue um trecho da lei:

“É assegurado a todos o livre trânsito, em bens de propriedade privada, por caminhos, trilhas, travessias e escaladas que conduzam a montanhas, paredes rochosas, praias, rios, cachoeiras, cavernas e outros sítios naturais públicos de grande beleza cênica ou interesse para a visitação pública.”

É importante a participação de todos através da enquete, mostrando o interesse da sociedade e dos montanhistas no assunto: Link para votação

A capital mineira do ecoturismo está de volta!

Fazenda Taboão (Dona Nicinha) – Fabricante tradicional de Queijo do Serro

Nos dias 04 e 05 do corrente mês, foi realizado encontro entre diversas agências de turismo do Estado de Minas Gerais, em Conceição do Mato Dentro, visando alavancar o turismo na região.

O encontro foi organizado pela ONG Technoserve, tendo apoio da Secretaria de Estado de Turismo (SETUR-MG), prefeitura de Conceição, Circuito Serra do Cipó e guias locais, que juntos, arquitetam a retomada do título de CAPITAL MINEIRA DO ECOTURISMO, tendo como foco principal, a criação de novo roteiro turístico oficial. Cabe destacar que, a nova proposta não irá assistir somente as belezas naturais e o turismo de aventura, mas também as Igrejas, gastronomia e histórias da cidade conceicionense.

Um momento marcante do encontro foi a sessão de negócios, realizada entre representantes da SETUR, prefeitura de Conceição do Mato Dentro, Associação Comercial, turismólogos, guias e donos de receptivos, juntamente com empresários locais, donos de pousadas, transportadoras, bares e restaurantes. Neste encontro todos puderam assistir palestras sobre o turismo no Estado e no município, e principalmente puderam trocar contatos para desenvolver parcerias que possam facilitar e baratear a vinda do turista.

Ressalto aqui a importância dos receptivos locais, que sempre trabalharam de forma independente para elevar o nome de Conceição para cada turista, angariando cada vez mais adeptos para a cidade. Nosso parceiro Pedro Esteves, responsável pela empresa local MONTANHA AVENTURAS, foi um dos participantes do evento, e disse: “O evento foi um marco para Conceição, onde iremos iniciar um novo ciclo para o turismo local, que seja sustentável e respeite as tradições e povoados aqui existentes, visando levar o turista ao encontro destes, proporcionando experiências inesquecíveis e principalmente o desejo de retornar”.


Visita guiada na Igreja Matriz

Após o encontro, será desenvolvida proposta oficial de roteiro turístico para Conceição, de acordo com o que foi visto de positivo e negativo nos dois dias de visita. Deposito aqui minha confiança neste projeto, sendo o turismo a melhor alternativa comercial para o município.

Parabéns a todos envolvidos neste evento!

 

Conflitos de mineração levam 11 a programas de proteção

Por Ana Paula Pedrosa e Queila Ariadne Jornal O Tempo

Pessoas foram incluídas nas iniciativas depois de receberem ameaças de morte

No Estado que leva a mineração no nome, 11 pessoas, moradoras de cinco cidades de regiões diferentes, estão incluídas em programas de proteção da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania depois de terem sido ameaçadas em decorrência de suas atuações em conflitos territoriais, sociais e ambientais envolvendo comunidades e mineradoras.

“Não posso dizer que são as mineradoras que ameaçam, mas o pano de fundo é a mineração. Elas (as mineradoras) colocam as pessoas umas contra as outras”, disse a coordenadora do Programa Estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos, Maria Emília da Silva, em entrevista concedida ao fim de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em maio. A inclusão deles nos programas de proteção foi solicitada, na maioria dos casos, pelos Ministérios Públicos Federal (MPF) ou de Minas Gerais (MPE), ou pela Comissão de Direitos Humanos da ALMG.

A reportagem de O TEMPO conseguiu localizar nove e conversar com oito das 11 pessoas ameaçadas – uma delas não quis dar entrevista por medo de represálias, mas indicou um representante. As formas de intimidação relatadas vão desde pessoas rondando as casas de madrugada até sabotagem de veículo, passando por bilhetes ameaçadores, ligações de funerárias oferecendo seus serviços e invasão de casa paroquial por uma pessoa armada.

A prioridade do programa de proteção é manter o defensor em sua localidade, para que ele possa continuar seu trabalho. Para isso, é articulada uma rede com órgãos responsáveis, para encaminhar as denúncias e agilizar a tomada de providências. Quando preciso, são adotadas medidas de segurança nas residências, como a instalação de câmeras e cercas elétricas.

Em último caso, quando o risco é muito grande, as pessoas são retiradas de sua cidade e passam a viver escondidas, para proteger sua vida. Entre os 11 mineiros, um se mudou de cidade e dois saíram do Estado. Todos continuam sendo monitorados pelo programa de proteção.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da ALMG, deputado Cristiano Silveira (PT), diz que não é possível afirmar que as ameaças partem das empresas “porque ninguém vai com o crachá da mineradora”, mas afirma que elas criam nas cidades um clima favorável a intimidações. “Elas usam formas perversas para jogar as pessoas umas contra as outras. Quando não conseguem convencer a comunidade de maneira coletiva, vão até as pessoas individualmente e criam um clima de hostilidade”, diz o deputado.

As ameaças podem vir, por exemplo, de pessoas que esperam a liberação dos projetos para fazer negócio com a mineradora, como vender suas terras, e veem quem se opõe ao projeto como um obstáculo.

Em Belisário, pequeno distrito de Muriaé, na Zona da Mata mineira, um religioso colocou sua vida em risco por defender uma serra e suas nascentes. O frei Gilberto Teixeira diz que a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) pretende ampliar a extração de bauxita na região, o que poderia ameaçar as nascentes do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro – a bauxita é um mineral que absorve a água e libera aos poucos para o solo, abastecendo os lençóis freáticos. Sem ela, a água escoa e não chega ao subsolo.

Por isso, o frei é contrário ao projeto. E, por liderar a resistência local, ele acabou sendo ameaçado de morte em fevereiro deste ano por um homem que chegou de moto e armado à sua casa, em plena luz do dia, mas ainda não foi identificado nem detido.

“Eu estava chegando na casa paroquial, por volta das 11h, quando uma pessoa armada me empurrou para dentro e me ameaçou de morte. Ele disse que era um aviso, porque eu estava falando muito de mineração”, conta. Ele foi incluído no programa de proteção em março e, desde então, não anda sozinho, e câmeras e outros equipamentos de segurança foram instalados em sua casa. “Qualquer movimento diferente já me deixa assustado”, diz.

Ele afirma, porém, que a ameaça trouxe mais visibilidade à resistência à mineração no local, e acredita que conseguirá proteger os cursos d’água. “A água vale mais do que a bauxita”, afirma. Por meio de nota, a CBA diz que se solidariza com o frei Gilberto e repudia o envolvimento do nome da companhia no caso.

A empresa afirma também que não tem processo de licenciamento ambiental para expansão das atividades em andamento no local.

Tensão na área do mineroduto

Projeto Minas-Rio é pano de fundo dos conflitos na cidade, onde cinco pessoas estão sob proteção

CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO. Vanessa Rosa dos Santos, 33, recebeu um bilhete dizendo que seria a próxima (vítima). O marido dela, Reginaldo Rosa dos Santos, 37, não consegue emprego desde que se envolveu na luta contra a Anglo American, que instalou em Conceição do Mato Dentro o complexo Minas-Rio, que inclui uma mina de minério de ferro no município da região Central do Estado, um porto, em São João da Barra (RJ), e um mineroduto ligando as duas extremidades. Elias Souza, 39, foi agredido na rua, na frente dos filhos pequenos. Lúcio Pimenta, 51, foi expulso de sua propriedade e enfrenta cerca de 15 processos judiciais. Lúcio Guerra Júnior, 51, recebeu a ligação de uma funerária oferecendo serviços. Juntos, os cinco moradores de Conceição do Mato Dentro são quase metade das 11 pessoas sob proteção no Estado por conflitos ligados à mineração.

O promotor de Justiça Marcelo Mata Machado explica que os cinco foram incluídos no Programa de Proteção de Defensores de Direitos Humanos a pedido do Ministério Público Estadual (MPMG) da comarca de Conceição. “Foram instaurados dois procedimentos investigatórios criminais na Promotoria de Justiça de Conceição do Mato Dentro, que estão em fase de instrução e coleta de provas”, afirma Machado.

Desde 2007 moradores confrontam a mineradora. Agora, a empresa pretende ampliar a capacidade da mina na fase chamada “step 3”. A gota d’água do conflito foi quando os cinco conseguiram, na Justiça, cancelar audiência pública marcada para 11 de abril deste ano. O cancelamento adiou o processo de licenciamento do step 3.

Foi o suficiente para rachar a cidade entre os contra e os a favor do empreendimento. “Depois que a audiência foi cancelada, jogaram um bilhete debaixo da nossa porta dizendo o seguinte: ‘Já sabemos. Foi você. Próxima. Pela Anglo sempre. Sim ao Step 3’. Também veio motoqueiro na nossa porta ficar buzinando”, conta Vanessa.

“As pessoas viram a cara para a gente, ninguém dá emprego”, relata Reginaldo, que trabalhava em uma terceirizada da mineradora. Ele conta que o casal morava no distrito de Cabeceira do Turco, de onde foi retirado por impactos do projeto da Anglo – a casa deles tremia com a passagem do minério pelo mineroduto. Desde então, a empresa paga aluguel social para eles, na sede do município. “Nos tiraram de onde tínhamos nosso sustento e nos colocaram na cidade, onde temos que comprar tudo”, conta.

Retirado de casa. Depois de ser agredido com um murro no meio da rua, na frente dos dois filhos pequenos, Elias Souza precisou deixar sua casa com a família. Sob o programa de proteção, eles moraram em outra cidade por quase dois meses, tempo em que a filha mais velha, de 11 anos, ficou sem frequentar escola.

Cansado de se esconder, Elias Souza voltou para Cabeceira do Turco, mas vive com medo. A mulher dele, Raquel Rosa de Matos, 35, não consegue dormir. “A gente fica escutando barulho de carro rondando nossa porta. Quando minha filha sai para ir à aula, meu coração aperta”, conta. “As ameaças chegam das pessoas que gostam da mineração. Eu não as culpo, só que não concordo”, afirma Elias Souza, que chegou a ficar internado em hospitais em Belo Horizonte e vive hoje à base de medicamentos para depressão.

Por meio de nota, a Anglo destaca que “a empresa não tolera ou permite que qualquer tipo de violação ou ameaça seja feita por seus funcionários ou parceiros”. A mineradora informa ainda que é signatária do Pacto Global das Nações Unidas (ONU) desde 2004 e apoia a implementação dos princípios voluntários de segurança e diretos humanos, bem como os princípios orientadores da ONU sobre empresas e direitos humanos.

Ciclo de ameaças

“O ciclo de ameaças se intensificou. Não sei quem me ameaça, mas o pano de fundo é a empresa.”
Lúcio Guerra Júnior, 51
Morador da cidade

Refúgio no mato

“Às vezes, quando vejo movimento estranho na estrada, entro para dentro do mato para dormir.”
Lúcio Pimenta, 51
Lavrador

Comitê criado para dialogar com moradores barra quem é contra

No começo deste ano, a Anglo American criou um comitê de convivência para dialogar com a comunidade e esclarecer dúvidas sobre os projetos. Participam representantes da mineradora e dos moradores de Turco, Cabeceira do Turco, Sapo e Beco. Entretanto, lideranças contrárias à forma como a mineradora vem conduzindo as conversas reclamam que não podem participar. “No começo, convidamos todos, mas não quiseram. Agora, eu mesma não deixo eles entrarem, porque senão vão ‘melar’ nossas negociações. Tudo indica que a Anglo vai comprar as terras de quem quiser vender. Eu mesma já vendi (antes) e posso dizer que a empresa não lesa ninguém. Ela paga direitinho”, afirma a coordenadora do comitê, Sandra Celestina Stemler.

Ela destaca que a Anglo deu opção: “Quem quiser sair sai. Quem quiser ficar fica, com garantia de qualidade de vida. Mas 99% querem sair. A empresa está disposta a colaborar”, diz.

Desinformação. Para o procurador do Ministério Público Federal Hélder Magno, essa é uma das principais violações de direitos humanos cometidas contra a comunidade.

Investigação. Há inquéritos civis para investigar os supostos crimes nos processos de licenciamento ambiental envolvendo a Anglo.

Cobrança. O MPF solicitou da Anglo, dos órgãos ambientais e dos jornais locais esclarecimentos sobre a falta de transparência na divulgação da audiência pública que aconteceria em 11 de abril.

Sindiextra desconhece conflitos no Estado

Representante das mineradoras no Estado, o Sindicato das Indústrias Extrativas de Minas Gerais (Sindiextra) desconhecia que os conflitos envolvendo as empresas e as comunidades onde elas atuam levaram à inclusão de 11 pessoas em programas oficiais de proteção. Informado pela reportagem, o diretor administrativo da entidade, Cristiano Parreiras, disse que “apoia as ações do Ministério Público e está aberto a ser a interface para buscar soluções para os conflitos”.

De acordo com ele, a maior parte das situações ocorre porque a população desconhece as características da atividade mineradora. Ele garante que as empresas desenvolvem constantes ações para “esclarecer a população em geral, em linguagem acessível, sobre os impactos e os benefícios da atividade”.

“Todas as mineradoras têm processos muito abertos de comunicação, até por conta das exigências legais”, diz. Ele completa que esses processos estão em constante evolução.

Anglo processa lavrador por invadir a própria terra

CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO. No dia 22 de março deste ano, seis viaturas e cerca de 20 policiais chegaram à fazenda Pereira e Ferrugem, na zona rural de Conceição do Mato Dentro, acompanhando oficiais de Justiça para retirar os moradores das cinco propriedades do condomínio. O objetivo era garantir a imissão de posse daquelas terras para a Anglo American, ou seja, entregar à mineradora a posse que pertencia a outras pessoas, já que a empresa conseguiu a servidão da área.

Além da ordem para deixar tudo para trás, os moradores tinham uma promessa de que logo receberiam por aquelas propriedades, embora não tivessem concordado em vendê-las. A ordem de sair foi cumprida. A promessa do pagamento ainda não. A Anglo depositou o valor da indenização em juízo, mas o montante está bloqueado.

“Eu fui arrancado de lá com mentiras. Primeiro me disseram que teria um lugar para eu ir. E falaram que eu poderia sacar (o pagamento). Depois que coloquei minhas coisas no meu caminhão, falaram que não tinha nenhum lugar para me acomodar e que o dinheiro não estava disponível”, conta o lavrador Lúcio Pimenta, 51.

Sem ter para onde ir, Lúcio levou suas coisas para outra área do mesmo terreno, que também é de propriedade dele. Mas as plantações, a nascente de água e a história da família que chegou por ali há mais de cem anos ele não pôde carregar.

Hoje, vive em uma casa nada engraçada na beira da estrada. Tinha nascente, agora não tem água. Tinha energia, hoje vive na escuridão, com uma lanterna que leva para a cama improvisada, cercada de madeiras para fugir do frio. “A Anglo me acusa de invasor e move mais de 15 processos contra mim. Eles usam a judicialização para tentar me calar. Mas eu tenho todos os documentos da minha terra, e só me tiram daqui morto”, afirma.

A Anglo explica que ajuizou algumas ações possessórias contra Lúcio Pimenta por tentativa ou invasão de terras que foram adquiridas pela mineradora. “Nos casos em que não há acordo em relação a uma área necessária à expansão dos negócios, à empresa não resta alternativa senão mover uma ação judicial para garantir o direito de servidão minerária da área, conforme o previsto na legislação vigente”, diz.

Fonte